Historia de Reinarth

História Antiga

      Há muito tempo, milênios antes de vocês sequer pensarem em existir, a terra de Reinarth era povoada e governada pelas Fäe. Não as raças faédicas que vocês conhecem hoje, mas Fäe puras, profundamente ligadas com todos os aspectos da Terra e da natureza. Seu reino era próspero e pacífico, sob o governo da Rainha Rhyannon. Um dia, sob o súbito aparecimento de nuvens negras, Reinath foi invadida por um exército selvagem e brutal de uma raça chamada Daan’Kiin, Os Portadores da Destruição. Esses seres destrutivos dariam origem a raça hoje conhecida como os humanos.

      Um povo bárbaro, muito diferente de seus descendentes que vivem hoje, os Daan’Kiin assolaram a terra de Reinarth, causando destruição por onde passavam e consumindo tudo como fogo vivo. A fúria implacável de seus exércitos esmagou as defesas das Fäe, os melhores magos do povo encantado não foram o suficiente para combater a feitiçaria caótica dos Daan’Kiin. Após anos de batalhas sangrentas, todas as Fäe foram acuadas para o coração de seu reino: Cas Lírie. Situada no coração de uma gigantesca montanha, a imaculada e bela capital das fäe se erguia, com o palácio de cristal, Kiire'Kiir, brilhando como uma jóia perfeita, daí seu nome.

      A montanha parecia inexorável. Isolados lá dentro, não havia entradas para a cidade que não estivessem seguramente seladas, e independente do quão fortes ou numerosos os bárbaros fossem, eles não seriam capazes de invadir a cidade pela cratera que se abria para os céus, quilômetros acima da base da montanha. Uma torre gigantesca despontava de dentro da montanha, como uma lança, com sua ponta em formato de gota. No topo dessa torre, Rhyannon mantinha-se vigilante sobre os invasores que circundavam a montanha sitiada.

      O povo das fäe, entretanto, não teve muito tempo para descansar. Os Daan'Kiin domaram os Sunvaar Fahdon, criaturas parecidas com animais comuns, mas com habilidades únicas, e que viviam em cooperação com os nativos, sendo assim chamados de Criaturas Companheiras. Utilizando o poder dos Sunvaar Fahdon, eles começaram a abrir caminho através da rocha sólida da montanha, criando um caminho até a última fonte de resistência das fäe.

      Rhyannon, vendo o fim se aproximar, toma uma medida drástica. Usando todos os seus poderes, ela conjura sua magia mais poderosa. Após um brilho intenso vindo da torre de cristal, uma enorme explosão se segue, fazendo um corte profundo na montanha, separando completamente a Cidade de Cristal do continente. Seus súditos observavam perplexos, enquanto se afastavam da grande falésia criada pelo corte na montanha. Durante sua meditação isolada na torre, a rainha encontrou a fonte de poder dos Daan'Kiin, uma entidade maligna do Plano das Trevas, que lhes dava poder em troca de sua servidão. Sua magia baniu essa entidade ao seu plano de origem, levando consigo as nuvens negras que cobriam a terra devastada.

      A recém-criada Ilha das Fäe se afastou do continente até desaparecer no horizonte, ficando oculta por uma densa névoa durante longos anos. O esforço exigido para que tudo isso fosse feito cobrou seu preço sobre Rhyannon, tomando sua vida. Ao morrer, seus poderes foram dividos entre seus filhos. Cada um deles governava uma região da grande capital e, com essa divisão de poderes, foram criadas a raças faédicas. Morian e seus súditos se tornaram elfos, habitantes das árvores e florestas densas; Kerrigan e seus seguidores habitam os bosques, pequenas criaturas cheias de energia, os halflings; Tarret e seu povo dobraram a terra nua e a povoaram, virando gnomos; e Oshanon, por ser a mais velha, manteve o centro cristalino do reino, dominando os elementos da natureza e, sua seleta corte, assim como ela própria, se tornaram Nymphäe, muito semelhantes às Fäe, e governaram soberanas.

      Os séculos se passaram e a vida de Oshanon chegou ao fim. Dedicada totalmente ao reino e mantendo, por isso, uma vida de castidade, não deixou herdeiros, criando discussões sobre a sucessão que separaram sua corte. E então as nymphäe se dividiram mais uma vez: Cada grupo herdou de sua rainha o poder sobre um único elemento da natureza. Após a divisão, as nymphäe da água subjugaram as outras famílias, conquistando o poder soberano, mas mantendo suas antigas iguais como membros da nobreza, de modo a evitar novos conflitos.

      O tempo correu, milênios se passaram, novas rainhas ascenderam e caíram, e a Kren Kein, a Guerra da Ruptura, foi quase esqucida. Como é sempre o lado vitorioso que escreve a história, os agora humanos Daan'Kiin ignoram seu passado brutal e mantém um reino civilizado em Reinarth. Os anões já haviam sido moldados nas montanhas por seus deus de pedra há alguns milhares de anos e os orcs, resquícios da fúria dos Daan'Kiin, vinham do sul, mantidos à distância pela cordilheira que protegia o reino.

      Ao longo desses anos, as raças faédicas retornaram lentamente à Reinarth, se integrando no reino dos humanos e até criando reinos próprios com o consentimento do Imperador.

(Yuvon Zii, Dragão Dourado Ancião)

Historia de Reinarth

Tales of the Shattered Land Shahzam